Surpreenda-se – uma feira, um mercado, várias instituições e um grande sucesso!

Vídeo Apresentacional
novembro 8, 2018
BH recebe Feira de acessibilidade e inclusão social
dezembro 11, 2018
Show all

Um Lugar Tradicional: O Mercado Central. Um Motivo Especial: Responsabilidade Social. Um Sabor Diferente: Gastronomia Variada. Um Valor Cultural: Diversão, Arte e Interatividade. Foi neste contexto que aconteceu no dia 25 de novembro a primeira Surpreenda-se – A Feira Gastronômica Social de BH. Durante um domingo inteiro, de 10 às 18 horas, os belo horizontinos, amantes do Mercado Central, de uma boa gastronomia, de música e teatro de qualidade, tiveram a oportunidade de fazer parte de um novo conceito de lazer social.

A Surpreenda-se, a primeira feira gastronômica social de Belo Horizonte, inovou no jeito de se fazer eventos de entretenimento na cidade. Organizada pelo CeMAIS, Centro Mineiro de Alianças Setoriais, e apoiado por vários órgãos e empresas de peso, e realizado por 14 organizações sociais de BH e região metropolitana, a feira trouxe um conceito de parceria solidária. Os organizadores ofereceram toda a infra-estrutura e as instituições realizadoras ficaram por conta de preparar os deliciosos pratos, (citados ao final da matéria), que foram servidos durante todo o dia. E com certeza quem ganhou com esta variedade foi o público presente, que ultrapassou o número de duas mil pessoas durante todo o evento.

Além da gastronomia a feira trouxe também uma diversidade nas apresentações artísticas, tanto no que diz respeito ao gênero, quanto ao estilo. No palco se revezaram teatro e música de alta qualidade.

Ao chegar ao local o público já se deparou com uma estrutura de muito bom gosto e de extrema beleza, realizada pelos produtores, que trabalharam a noite toda anterior a festa, pôde-se sentir o aroma dos pratos que já dominavam os ares do Mercado, a visão agradável da  arte dos coletivos de artesanatos e outros objetos.

A Cia Mamulengo Papo de Ema de teatro de bonecos, com seu humor irreverente e belas canções iniciou a festança artística, o publicou se deliciou com a cantoria e deu boas risadas com as histórias contadas pelos divertidos bonecos.

Com um trabalho de inclusão social baseado no teatro e na dança, a Cia Teatral Crepúsculo apresentou o espetáculo “Os quatro distintos”, que contou a história de quatro amigos, Bellinha, Tininha, Karina e Julinho, interpretados, respectivamente pelas atrizes Mariana Botelho, Sílvia Carvalho, Luciane Kattaoui e Amaranta Boaventura. O público foi levado a uma reflexão profunda sobre desejos e possibilidades que pessoas com limitações aparentes e não aparentes vivenciam. Ao fim do espetáculo notava-se um público emocionado e sensibilizado com a atuação impecável das atrizes.

Na vibe das artes cênicas subiu ao palco o jornalista e contador de histórias Ricardo Albino, que é cadeirante e com suas histórias encantou os ouvidos atentos da platéia.

 

A primeira atração musical, mas não deixando de ser cênica, a Charanga dos Padês animou a galera. Ao som de sambas enredo, marchas e gritos de carnaval levou um espírito de bloco carnavalesco e sacudiu os presentes com um clima apoteótico na feira, uma verdadeira surpresa, das mais acaloradas que podia se esperar.

Com muita doçura, encantamento, mas nem por isso menos animação as Meninas de Sinhá tomaram conta do palco e com músicas folclóricas e de muita tradição embalaram momentos de preciosidade e saudosismo para todo o público, crianças de 8 a 80 anos cantaram, dançaram e se divertiram com essas meninas travessas.

Com o público entusiasmado subiu ao palco da feira o surpreendente Sérgio Pererê. Um músico completo que, com sua performance teatral, com nuance de dançarino e uma voz que ecoa aos quatro cantos emanando uma força poderosa herdada da ancestralidade negra, Pererê realizou um show, no seu mais puro significado, avassalador, com sua versatilidade e características inconfundíveis. O ápice do seu show foi a participação do músico senegalês Zal Idrissa Sissokho, que abrilhantou o espetáculo ao usar o instrumento de nome Kora, uma harpa-alaúde de 21 cordas amplamente utilizado por povos na África ocidental, enquanto Pererê comandava o público em êxtase com o entrosamento impecável dos artistas no palco. Um verdadeiro espetáculo sonoro com destaque para a diversidade, a miscigenação musical e a intercultural idade cultuadas com muita expressão e pujança em total sintonia com o público.

Pererê ainda falou da importância de se participar de um evento com este viés social: “Foi muito prazeroso tocar em uma feira como esta, sabendo-se da causa por trás dela, com um público bonito, eclético e diverso, foi uma coisa muito bonita. Belo Horizonte, Minas Gerais, precisam de mais eventos como este. Nossa tradição, nossa herança ancestral tem essa magia do comer junto, esta coisa em torno da comida, do alimento, é muito bonita e nós precisamos praticar mais vezes. E dentro do Mercado Central, que é um lugar especial. Nós temos que potencializar essa iniciativa. Fiquei muito feliz em participar deste evento.”

A pluralidade cultural seguiu caminho no palco da Surpreenda-se com Renato Caetano que toca uma viola caipira, ou melhor, uma viola distorcida. Renato com sua viola detonou o mais puro rock and roll, onde coube Creedence, Rolling Stones, Beatles, e ainda uma combinação de We Will Rock You, do Queen com Sociedade Alternativa, de Raul Seixas. Reforçando o que mestre Raulzito já dizia: “há muito tempo eu percebi que Genival Lacerda tem a ver com Elvis e com Jerry Lee”.

Sobre o musicar em prol de uma causa social Renato afirmou: “Primeiro eu gostaria de agradecer a possibilidade de estar exercendo o papel social da música. Fazendo isso em prol de entidades que necessitam que estejamos juntos com elas. Um festival muito bem organizado. Lindo. Com coisas maravilhosas acontecendo, e fortalecendo o meu mantra pessoal de vida que é, ‘só a arte salva’. Ter a possibilidade de tocar a minha música em uma feira como a Surpreenda-se é um prazer e uma honra para mim. Estou muito feliz em participar deste evento, neste lugar. O Mercado Central nada mais é que, a arte e a gastronomia juntos. E nós trouxemos o social para cá. O que é necessário, pois, estes elementos nunca andam separados. Pois, o social é uma forma de arte. A arte de unir pessoas em prol de uma causa.”

Para fechar a noite musical um country, folk intimista, inspirado em ícones da música como Jonny Cash, The Carter Family, Hank Williams Jr, Ernest Tubb, entre outros, com a banda Country Bumpkins. O grupo tirou o último suspiro da galera que com certeza foi para casa com a bela e suave voz da cantora Luciana Periard, ecoando em seus tímpanos.

Uma tarde de domingo que marcou a estréia da Surpreenda-se – A Feira Gastronômica Social de BH, que veio para ficar de vez no calendário da capital mineira. Um momento que passa a ser um marco para o terceiro setor de Belo Horizonte, uma reunião de organizações que muito têm a contribuir com a melhoria de nossa cidade na busca por uma sociedade mais solidária e igualitária.

 

Lista Das Organizações Com Seu Respectivo Prato

Amigos Do Amanhã – Arroz de legumes e feijão à “moda caribenha”, Sorullitos de maiz

Associação Move Cultura – Angu de mina,  Tropeiro vegetariano

Creche Comunitária Pingo De Gente – Baião mineiro com farofa de torresmo

Crepúsculo – Bolinho de jiló e Bolinho de mandioca, com molhos surpreendentes

Fundação Dom Bosco – Macarrão a bolonhesa com crispy de cenoura desidratada

Instituto Pauline Reichstul – Sushi Vegano

Novo Céu – Costelada

Obras Educativas Padre Guissani – Polenta à mineira com ragu de pescoço de peru

UMCA – Brigadeiros e Quitandas

ASSOPOC – Coxinha de massa de mandioca com recheio de ragu de porco, taioba e catupiry, Croquete e Bolinho de arroz

Instituto Herdar – Tropeiro Herdar

Instituto Esperança – Batatas Rústicas

Comunidade Kolping – Uai Crepe

Instituto Ceasaminas – Vitasopa

 

Por Elmo Gomes

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *