Primeira edição do prêmio para projetos culturais e artistas com deficiência distribuiu 40 mil reais em bolsas culturais

  • Guilherme 

O Crepúsculo-BH promoveu, entre maio e junho de 2021, a primeira edição da Premiação para Projetos Culturais, com recursos da Lei Aldir Blanc, com o objetivo de reconhecer organizações sociais e pessoas físicas que atuam com Teatro, Dança, Circo, Música e Cultura Popular em Minas Gerais. Foram distribuídos 40 mil reais em bolsas culturais para os candidatos selecionados: duas organizações sociais e dez pessoas físicas. No total, tivemos 104 projetos inscritos.

A iniciativa rendeu diversos elogios. Brisa Marques, artista com deficiência premiada, afirma que o prêmio foi super importante para ela, para seguir arejando as estruturas opressoras e para que as pessoas possam viver da arte e cultura com dignidade. Por meio dessa premiação, a instituição também pôde conhecer diversos projetos criativos que estão em desenvolvimento em Minas Gerais, como a Escola Infantil da Associação Comunitária do Rosário para o Desenvolvimento e Assistência (ACORDA), e o Grupo de Convivência da Melhor Idade Arco-Íris, criado pela Associação Social e Cultural Folia da Vaca Mineira de João Monlevade.

“Para mim, esse prêmio significa um reconhecimento dos produtores de conteúdo audiovisual. Sou pessoa com deficiência física e paratleta de natação e estou me mudando para BH para desbravar novos caminhos, tanto profissionalmente quanto no esporte, e esse prêmio impactou muito nesse processo de mudança, já que, devido à pandemia, estou desempregado desde o ano passado”, afirma o desportista paralímpico e produtor audiovisual, Léo Chaves. Acesse aqui o vídeo de agradecimento que o Léo nos enviou!

“O prêmio me faz ver que, apesar de inúmeras dificuldades ao longo do caminho, escolhi ou fui escolhida pela profissão certa. Amo a arte, amo ser artista e espalhar as sementinhas para que ela seja eterna”, declarou a criadora da Circademia Vertical, Cinzia Alvares.

Confira aqui a lista de vencedores desta edição:

OSCs:

  • Associação Comunitária do Rosário para o desenvolvimento e Assistência (Acorda), sediada em Ibirité;
  • Associação Social e Cultural Folia da Vaca Mineira de João Monlevade.

Pessoas físicas:

  • Ana Maria da Silva Soares, de Belo Horizonte;
  • Brisa Ramos Marques, de Belo Horizonte;
  • Douglas Francisco Silva Reis, de Belo Horizonte;
  • Felipe Silva Rocha, de Taiobeiras;
  • Léo Angelos Araujo Chaves, de Sete Lagoas;
  • Maria Eduarda Arsênio, de Ribeirão das Neves;
  • Rita Efigênia Silva, de Belo Horizonte;
  • Tayuana de Meneses Silva, de Betim;
  • Cínzia Thais de Narvaez Alvarez, de Poços de Caldas;
  • Pedrinha de Lourdes Santos de Oliveira.

A  premiação faz parte da contribuição do Crepúsculo BH na distribuição de recursos recebidos por meio da Lei Aldir Blanc.

DESCRIÇÃO DAS IMAGENS:

Foto 1: Fotografia de dois artistas circenses performando uma acrobacia em uma apresentação de rua. Uma artista mulher sorri enquanto segura um artista homem de pernas para o ar. Ao fundo, uma grande platéia assistindo. 

Foto 2: Fotografia de um artista circense em um palco com iluminação azul falando ao microfone enquanto segura uma flor de papel. Ele usa maquiagem e fantasia de circo. 

Foto 3: Artista circense dando aula em uma sala de aula com diversos estudantes sentados em suas carteiras.

Foto 4: Artista circense em um galpão de ensaio realizando uma acrobacia em fita suspensa (tecido acrobático).

Foto 5: Duas artistas circenses em um galpão de ensaio realizando uma acrobacia em conjunto em fita suspensa (tecido acrobático).

Foto 6: Uma mulher sentada em um em tecido acrobático azul suspenso segurando um bebê no colo. Ela está em uma academia de treinamento com tatame cobrindo o chão.

Foto 7: Mulher de ponta cabeça sendo suspensa por uma fita acrobática enrolada em suas pernas abertas. Ela segura uma criança pelas mãos realizando acrobacias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *